Abril Verde: Secretaria de Estado de Saúde (SES) alerta sobre segurança e saúde do trabalhador

Estado do Rio de Janeiro registrou 216.478 notificações por doenças e agravos relacionados ao trabalho entre 2011 e 2020

Conhecido como o Dia Mundial da Segurança e Saúde no Trabalho e também como o Dia Nacional em Memória das Vítimas de Acidentes e Doenças do Trabalho, o 28 de abril é pautado por iniciativas com o objetivo de conscientizar a população a respeito da importância da prevenção dos acidentes de trabalho e da essência das atividades laborais. O mês é também o da campanha Abril Verde, que engloba ações de conscientização relacionadas à segurança e à saúde do trabalhador. Especialistas da Secretaria de Estado de Saúde (SES) alertam sobre a importância do assunto, muitas vezes negligenciado, mas que é determinante para a qualidade de vida. E dão luz a estudos sobre o tema elaborados pela Coordenação de Vigilância e Promoção de Saúde da SES.


– O trabalho é um determinante das condições de vida e da situação de saúde e do bem-estar do trabalhador e de sua família. Além de gerar renda e viabilizar as condições materiais de vida, tem uma dimensão humanizadora e permite a inclusão social e de redes de apoio relevantes para a saúde de quem trabalha. No entanto, além deste efeito promotor de saúde, o trabalho pode causar também mal-estar, sofrimento, adoecimento e morte, aprofundando a vulnerabilidade das pessoas – explica a coordenadora de Vigilância e Promoção em Saúde da secretaria, Eralda Ferreira.


Entre os estudos sobre o tema realizados por especialistas da SES estão o Informe Epidemiológico sobre Doenças e Agravos relacionados ao Trabalho. O levantamento, um alerta da Divisão de Saúde do Trabalhador, setor da Coordenação de Vigilância e Promoção de Saúde, apresenta o perfil de morbimortalidade das doenças e agravos relacionados no estado. E identifica, entre os anos 2010 e 2019, casos recuperados a partir do banco de dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan) e a mortalidade por causas externas relacionadas ao trabalho, por meio do banco de dados do Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM).

– A partir das informações sobre o atual cenário, é possível conhecer os principais desafios no âmbito da gestão pública, na organização dos serviços, ações de controle social e consolidação dos princípios do Sistema Único de Saúde – detalha a especialista.


Entre 2011 e 2020, o Estado do Rio de Janeiro registrou 216.478 notificações por doenças e agravos relacionados ao trabalho, entre acidentes com exposição a material biológico (44.069 notificações); acidentes graves de trabalho (19.140); cânceres relacionados ao trabalho (15); dermatoses ocupacionais (264); intoxicações exógenas (45.262); lesões por esforços repetitivos e distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho (3.876); perda auditiva induzida por ruído (476); pneumoconiose (113); transtorno mental (297); e acidente simples (102.966). Dados importantes para nortear o cuidado em saúde na perspectiva da atenção integral, que envolve ações de promoção e proteção da saúde, vigilância, assistência e reabilitação.


– Assim, todos os profissionais da rede de saúde, em especial das equipes de Atenção Básica e Saúde da Família, precisam estar qualificados para estabelecer as relações entre as condições de vida, saúde-doença e o trabalho, atual ou pregresso do usuário, de modo a estabelecer o diagnóstico correto, a relação do evento com a atividade de trabalho e definir o plano terapêutico adequado, incluindo a reabilitação, a orientação do trabalhador e a notificação ao Sinan – esclarece Eralda.