Por um Brasil sem fome e pelos R$ 600, CUT e centrais farão ações nesta 4ª

Atualizado: Mai 28

Contag, MST e frentes BP e PSM estarão juntas nas ações. Ato nacional, em Brasília, será transmitido pelas redes sociais. Entidades organizam faixaços, carreatas e doação de alimentos em outras cidades


Esta quarta-feira (26) será um dia de atos em todo o país em defesa do auxílio emergencial de R$ 600, contra a fome e a carestia. O ato nacional será realizado na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, a partir das 10h, com transmissão pelas redes sociais das entidades. Nos estados, serão realizados atos nas capitais e grandes cidades. (Veja abaixo onde vai ter ações).


Combater a fome e a pobreza no Brasil é o objetivo principal do ato #600ContraFome que a CUT, demais centrais, o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), a Confederação Nacional dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares(Contag) e as frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo realizam amanhã.


A fome não espera. Quando ela dói no estômago, e na mesa não há nada para comer, vem o desespero. Esse é o sentimento de milhões de brasileiros que já estão na linha da pobreza. Hoje, no Brasil, já são 14,5 milhões de famílias nesta situação por causa do descaso do governo de Jair Bolsonaro (ex-PSL) com a população mais pobre e mais impactada pela crise econômica aprofundada pela pandemia do novo coronavírus.


As lideranças da CUT, Força Sindical, UGT, CTB, Nova Central, CSB, Intersindical, Pública, CSP-Conlutas, CGTB, CONTAG, MST e das frentes BP e PSM conhecem bem esse drama e não ignoram o sofrimento desses brasileiros – pais e mães de família sem emprego, jovens sem esperança e crianças desprezadas pelo governo federal que não só deixa de cumprir com seu papel de promover o desenvolvimento com geração de emprego e renda como não ampara essas pessoas em um momento de calamidade como o que o país vive.


Prova disso é o disparate de ter reduzido drasticamente o valor do concedido um auxílio emergencial aprovado pelo Congresso Nacional no ano passado, primeiro de R$ 600 para R$ 300 e este ano para R$ 150, no caso da maioria dos beneficiários. Outros receberão R$ 250, (quando há mais de uma pessoa na família), e alguns R$ 375,no caso de mães chefes de família, para as quais o Congresso havia aprovado R$ 1.200, que foram pagos pelo governo apenas até setembro. O auxílio ainda demorou quase quatro meses para começar a ser pago este ano a um numero muito menor de pessoas do que no ano passado.


Em 2020 foram 68,5 milhões de beneficiários. Já este ano, cerca de 30 milhões não receberão o auxílio, ou seja, a pobreza e a fome aumentaram proporcionalmente ao descaso de Bolsonaro e seu ministro da Economia, o banqueiro Paulo Guedes.


Enquanto a renda diminui, ou mesmo não existe para esses milhões de brasileiros, o preço dos alimentos faz o caminho inverso. Aumenta a cada dia e – mais uma vez – o governo nada faz para controlar. A carestia é um tiro de misericórdia na esperança dos brasileiros que não tem o que comer.


Dá para suportar? Para o movimento sindical a resposta é não e a ação tem que ser imediata. A começar pelo auxílio emergencial de, no mínimo, R$ 600. E essa é a pauta principal da CUT e das centrais sindicais em conjunto com movimentos sociais, nesta quarta-feira.

Confira aqui detalhes sobre o ato.




Como será o ato em Brasília

Em Brasília, o ato no gramado do Congresso Nacional mostrará na prática, o que dá para comprar com os valores do auxílio emergencial atual, colando esses poucos produtos em carrinhos de compra. O objetivo é sensibilizar os parlamentares para que tenham a mínima noção do sofrimento desses milhões de famílias e pressiona-los a tomas uma iniciativa que o presidente capitão, pelo visto, jamais tomará.


Na pauta

Para Rodrigo Rodrigues, presidente da CUT Brasília, a principal reivindicação do ato são melhores condições de vida para população que mais tem sofrido com as ações de Bolsonaro.


“Com o ato, que terá bandeiras e cartazes, e com a nossa voz na Esplanada dos Ministérios, daremos um recado ao Congresso Nacional e ao Planalto sobre como a classe trabalhadora tem entendido a situação e quais são as reivindicações”, afirma o dirigente.


Também pauta importante da mobilização é a luta por vacina imediata para toda a população. “Essencial para que possamos controlar e sair da pandemia”, diz Rodrigo Rodrigues. A luta também é por mais direitos, empregos e contra a reforma administrativa que, conforme lembra Rodrigo, “vai destruir o Estado e fragilizar ainda mais os serviços públicos prestados à população”.


Veja onde já estão confirmados atos

Brasília O ato começa às 7h na Praça dos Buritis. Caminhões com cestas de alimentos do MST e da Contag sairão em direção à Esplanada dos Ministérios, mas a transmissão ao vivo está programada para à 10h, no momento em que lideranças da CUT, centrais e de movimentos sociais farão o protesto e, em frente ao caminhão de som, serão colocados os três carrinhos de compras com produtos possíveis de se comprar com o auxílio emergencial.

Faixas com o mote do ato - Vacina no Braço/Comida no Prato; Pelo auxílio de R$600 - também estarão dispostas no gramado.

Ao meio-dia, acontece o ato de entrega da Agenda Legislativa das Centrais Sindicais a lideranças do Congresso Nacional

Outros estados estão organizando as manifestações. Os locais já confirmados são:

Alagoas

Atos durante todo o dia nas ruas do centro da cidade. Dirigentes de sindicatos e de movimentos sociais dialogarão com a população sobre o auxílio emergencial e sobre a situação da fome no Brasil, consequência do descaso de Bolsonaro.

Espirito Santo

Atos simbólicos em Linhares e Vitória.

Mato Grosso

Carreata pela manhã e ato à tarde Praça Alencastro em Cuiabá.

Mato Grosso do Sul

Ato às 9h em defesa da aprovação do Projeto de Renda Básica. Às 16h, audiência pública "Vacina Já, Não aos cortes da verba das Universidades Públicas e Retorno às aulas presenciais somente após a vacinação".

Paraná

Em virtude do aumento de casos de Covid-19 no Paraná, a CUT, no estado, realizará uma live às 15h com foco na defesa do auxílio emergncial de R$ 600, contra a fome e a carestia.

clique para assistir: Ato virtual às 15h desta quarta-feira (26) pelo Facebook da CUT Paraná.

Pernambuco

Ato simbólico será realizado no sábado, dia 29, na Praça do Derby em Recife, a partir das 9h.

Rio Grande do Sul

A partir das 7h da manhã haverá faixaços. Às 10h, ato no Palácio Piratini em Porto Alegre reivindicando vacinação em massa da população e contra a reforma Administrativa. Após o ato, marcha fúnebre até a prefeitura, finalizando com as ações de solidariedade.

Rio de Janeiro

Ato simbólico em frente ao Prédio da Petrobras no centro do Rio e panfletagens em vários pontos da cidade.

Rondônia

Ação simbólica em Porto Velho com concentração na Praça da estrada de ferro Madeira-Mamoré, às 8h. Haverá carreata e colocação e faixas contra a fome, carestia e pelo auxílio emergencial de R$ 600, em pontos estratégicos da cidade.

Santa Catarina

Em Florianópolis, ato na Catedral, a partir das 10h, terá entrega de alimentos doados pelo MST e Via Campesina. Faixas, cartazes e panelas vazias simbolizarão a luta que tem como mote “vacina no braço comida no prato”.

São Paulo

A CUT São Paulo fará ações pontuais e audiências públicas contra a PEC 32 – da Reforma Administrativa.

Fonte: CUT - Central Única dos Trabalhadores




2,052 visualizações