Lula tem 52% dos votos válidos vence no 1º turno, segundo pesquisa Ipec

Os votos válidos definem uma eleição. Vence o candidato que alcançar 50% mais 1 dos votos. Bolsonaro tem apenas 34% dos válidos


O ex-presidente Lula (PT) tem 52% dos votos válidos na eleição que vai escolher o novo presidente da República e vence no primeiro turno, segundo pesquisa Ipec (ex-Ibope), divulgada nesta segunda-feira (26).

Ao fazer a soma para definir o candidato eleito, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) exclui os votos brancos e os nulos. Vence o candidato que alcançar 50% mais 1 dos votos.

O presidente Jair Bolsonaro (PL), candidato à reeleição, tem 34% dos votos válidos.

De acordo com a pesquisa Ipec, encomenda pela TV Globo, na soma geral, sem excluir brancos e nulos, Lula tem 48% das intenções de voto no primeiro turno e Bolsonaro tem 31%.

Em relação à pesquisa anterior, de 19 de setembro, Lula subiu um ponto percentual e Bolsonaro ficou onde estava.

Demais candidatos

O ex-governador do Ceará Ciro Gomes (PDT) oscilou um ponto para baixo em relação a pesqiosa anterior e tem 6% das intenções de voto. A senadora Simone Tebet (MDB-MS) manteve os 5%, assim como a senadora Soraya Thronicke (União Brasil-MS) parou no 1%. Felipe d’Avila (Novo): 1% (0% na pesquisa anterior).

Não pontuaram Vera (PSTU), Léo Péricles (UP), Padre Kelmon (PTB), Sofia Manzano (PCB), Constituinte Eymael (DC).

  • Branco/nulo: 4% (5% na pesquisa anterior)

  • Não sabe/não respondeu: 4% (4% na pesquisa anterior).

Segundo turno

Em um eventual e, segundo os dados do Ipec, improvável segundo turno, Lula alcançaria 54% das intenções de votos contra 35% de Bolsonaro.

Metodologia da pesquisa

A pesquisa ouviu 3.008 pessoas entre os dias 25 e 26 de setembro.

A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

O nível de confiança é de 95%.

A pesquisa foi registrada no TSE sob número BR-01640/2022.

Sobre o instituto

O Ipec foi fundado em fevereiro de 2021 por ex-executivos do Ibope, que encerrou suas atividades em janeiro por conta do fim de um acordo de licenciamento da marca após 79 anos.